Como identificar ações de baixa volatilidade?

A queda da Selic tem atraído investidores iniciantes no mercado de capitais. Para rentabilizar o patrimônio, muitos têm fugido das tradicionais modalidades de renda fixa e aplicado em ações

Mas o grande desafio para quem é menos experiente e ainda se assusta com o sobe e desce do mercado é identificar ações de baixa volatilidade.

Como fazer isso? Neste artigo, veja algumas dicas que podem lhe ajudar a encontrar os papéis mais estáveis do mercado. Confira!

Ações de baixa volatilidade

Aqui no blog, já falamos sobre a volatilidade dos investimentos. Ela mede o quanto varia o preço de um determinado ativo.

Neste artigo, entenda os efeitos da volatilidade nos investimentos. 

Como vimos, as ações de baixa volatilidade são as mais indicadas para quem ainda está se habituando ao mercado acionário. De forma geral, elas tendem a ter menores rendimentos do que os papéis que oscilam bastante, mas entregam estabilidade e bons ganhos no longo prazo.

E como encontrar essas ações?

Para o investidor menos experiente, essa pode parecer uma tarefa difícil. No entanto, existem alguns pontos que podem ajudar nessa análise:

Empresas consolidadas

Empresas que já têm uma certa tradição no mercado, com boa situação econômico-financeira e práticas de governança corporativa tendem a apresentar menores oscilações no preço das suas ações.

Existem vários indicadores financeiros que podem ajudar nessa análise. Alguns exemplos mais utilizados são margem EBITDA, endividamento, receita líquida e lucro líquido.

Quanto mais indicadores você utilizar em sua análise, mais completa e assertiva ela será em relação à saúde financeira da empresa. Mas lembre-se de analisar diferentes períodos (no mínimo 3 exercícios, se possível) e sempre comparar os resultados de outras empresas do mesmo setor.

Segmentos maduros e de primeira necessidade

Ações de empresas que atuam em segmentos mais maduros também tendem a apresentar menor volatilidade.

Um bom exemplo são as companhias do setor de transmissão de energia. Esse é considerado um dos segmentos mais estáveis do mercado, inclusive dentro do próprio setor de energia elétrica.

Outros segmentos que tendem a oscilar menos são o de alimentos, bancos e saneamento. Uma vez que as pessoas precisam deles para o dia a dia, acabam sofrendo menos com crises ou alterações de políticas econômicas.

Uma exceção à regra é o setor de commodities. Embora esses produtos sejam de primeira necessidade, os seus preços são definidos pelo mercado, e não pelos produtores. 

Logo, uma supersafra de soja, se não for acompanhada do aumento da demanda, fará com que sobre grãos no mercado. Isso derrubará os preços e, certamente, afetará o preço das companhias produtoras.

Conclusão

Trouxemos algumas formas para lhe ajudar a identificar ações de menor volatilidade. No entanto, não basta analisar de forma isolada cada um desses pontos para tomar a sua decisão.

Isso porque mesmo em setores maduros podem existir empresas frágeis financeiramente, ou com problemas de gestão, por exemplo. Situações assim geram desconfiança no investidor, e isso contribui para a volatilidade dos preços.

Da mesma forma, empresas que atuam em segmentos mais sujeitos a efeitos de crises, como TI ou e-commerce, podem ser verdadeiras blue chips. Nesses casos, é pouco provável que percam valor, mesmo diante de instabilidades.

Logo, o ideal é aliar a análise do setor aos fundamentos da empresapara tomar as melhores decisões de investimento.

Utilize o nosso buscador aqui no blog, e encontre mais conteúdos com dicas como essas 😊


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo