Carteira de ações: 9 dicas para montar a sua

Para montar uma carteira de ações vencedora, é preciso seguir algumas premissas básicas – mas poderosas. Guarde um conselho, Yubber: escolher investimentos aleatoriamente te deixa à mercê da sorte.

Você não quer que o seu sucesso seja definido pela sorte, não é? Para que isso não aconteça, nós aqui do Yubb vamos te dar, no artigo de hoje, 9 dicas para montar uma boa carteira de ações.

Queremos ser potencializadores do seu sucesso, Yubber. Então, conte sempre com a gente!

Vamos lá!

1. Perfil de Investidor

Essa é uma regra básica, regra número um, de fato. Infelizmente, ela é muito desprezada ainda. Não conhecer o seu perfil de investidor pode trazer tantas frustrações, que se todas as pessoas dessem importância, isso seria evitado.

Se um investidor tem perfil conservador, por exemplo, qual o sentido de aplicar um grande recurso em ações? Na primeira oscilação razoável, ele já se desfaz da posição, executando, então, prejuízo.

Então, faça o favor, Yubber! Não queremos que você passe por uma situação desagradável. Aloque seus recursos em modalidades de investimentos que fazem sentido para você.

2. Reserva de emergência

Outra regra básica e inicial que é muito ignorada. Você provavelmente já ouviu falar sobre reserva de emergência e, se você não tem ainda, por favor, dê a importância que ela merece.

Nossa vida é cheia de surpresas. Todos os dias estamos sujeitos a situações que não imaginamos que podem acontecer, até que ela acontece, e você, por não ter se preparado, acaba se lesando.

“Mas como fazer isso, se não sei para o que devo me preparar?”

Você não precisa saber!

A reserva de emergência consiste em guardar de 4 a 12 meses dos seus custos mensais. Essa variação existe porque alguns fatores influenciam no tempo que deve ser considerado, como por exemplo, se a pessoa é autônoma, ou trabalha no regime CLT, entre outras coisas.

Imagine que você perca o emprego? Bom, você tem uma reserva para te auxiliar. Imagine que você fique doente? É a mesma lógica. A reserva te ajudará desde acontecimentos mais simples, até os mais sérios.

Não seria nada interessante ter que se desfazer dos seus investimentos por falta de planejamento.

3. Defina seus objetivos

Por que você quer investir?

“Porque eu quero ficar rico!”

Esse não deve ser o objetivo final, Yubber! Explico o porquê: o dinheiro deve ser o meio para se atingir um fim. Defina o que você quer alcançar. Você quer liberdade? Flexibilidade? Viver de renda? Viajar?

Encontrar o seu porquê te motivará e te ajudará a persistir na jornada. Sem objetivo, sem propósito, você pode se perder.

Digo isso porque o caminho não é uma linha reta, Yubber, mas lembre-se, sempre, dos motivos que te fizeram começar, e não desista, nunca! Você já deve saber que a vida não é só feita de altos, e está tudo bem com isso. O que vai te diferenciar dos demais é a persistência e consistência. Sempre em frente, ein?

4. Estudo e prática

Conhecimentos empíricos e científicos devem andar de mãos dadas. Se você tem conhecimento teórico, a sua experiência será melhor aproveitada. Da mesma forma que a experiência complementará o científico.

Não os ignore. Estude, estude e estude, Yubber! E, claro, saia também do papel, aplique aquilo que foi absorvido.

Como você vai escolher as melhores ações? Você precisa de algum embasamento, concorda? Lembre-se da frase inicial: escolher investimentos aleatoriamente te deixa à mercê da sorte.

Busque por indicadores quantitativos da empresa, seus resultados, estudo o setor, pontue seus pontos fortes e fracos, crie cenários, analise a governança corporativa, etc.

E falando em conhecimento, nós temos vários cursos que podem te ajudar, é só clicar AQUI!

5. Dê atenção aos custos

Se o volume monetário de seus aportes for baixo, opte por corretoras com custos baixos ou, ainda, com custo zero.

Se os aportes forem grandes, a taxa acaba sendo indiferente, pois o custo acaba se diluindo no montante, mas caso contrário, considere custo baixo ou zero, mesmo.

Você sabia que nós temos um Guia de Corretoras que contém, além de notas, comentários de usuários? Sim! É só clicar AQUI. Isso pode te ajudar a ter uma análise qualitativa também, afinal, há outros fatores que influenciam na escolha, né? 

6. Diversifique

Certamente você já ouviu a frase: nunca coloque todos os ovos na mesma cesta!

Clichê, mas faz todo o sentido no mercado financeiro.

A diversificação elimina muitos riscos inerentes à empresa e ao setor. Imagine que você investiu em determinada empresa e, de repente, veio à tona uma situação bastante negativa que a afetou.

Por coerência, as ações irão cair, mas se você tem uma carteira bem diversificada, as ações de outras empresas e setores irão equilibrar.

Mas aqui vai um ponto de atenção: a diversificação funciona quando estamos falando de riscos não sistemáticos, que basicamente dizem respeito ao setor ou empresa. Agora, quando falamos de riscos sistemáticos, a diversificação não é eficiente.

Fatores sistemáticos são situações macro, que fogem de nosso controle. Quer um exemplo simples? Cenário do coronavírus. A bolsa despencou em março de 2020 por conta dele. Investidores de todo o mundo ficaram assustados, e isso refletiu em uma grande queda na bolsa.

Para que você entenda de uma forma visual o que estou querendo dizer, olhe esse esquema abaixo.

7. Acompanhe sua carteira periodicamente

Por quais motivos você comprou ações de determinada empresa? Se você investiu com conhecimento, suas decisões foram baseadas em fatores quantitativos e qualitativos. Mas você concorda que alguns fundamentos da empresa podem se perder ao longo do caminho?

Se isso acontecer, você precisa estar ciente para não ser pego de surpresa. Estando ciente da mudança, você pode decidir por continuar com seus recursos alocados nela ou não.

Alguns investidores fazem acompanhamento a cada três, seis ou doze meses. O interessante é acompanhar a cada três ou seis meses.

8. Controle a emoção

O ser humano, às vezes, é muito irracional, e o fato é que ele pode nem perceber essa irracionalidade praticada. É importante entender que somos seres subjetivos e reativos às situações que nos acontecem. Entendendo isso, sua consciência pode te deixar mais alerta antes de tomar uma decisão impensada.

Vou te dar um exemplo. Em março, devido ao cenário do coronavírus, a bolsa despencou. Eu não sei se você sabe, mas a sistemática da bolsa de valores é baseada em oferta e demanda.

Logo, devido ao alastro e repercussão mundial do vírus, investidores começaram a se desfazer desesperadamente de suas posições, gerando uma queda absurda em todas as bolsas mundiais.

Em momentos como esses, você deve relembrar dos motivos que fizeram você investir naquelas empresas. Se você a considera bem fundamentada, provavelmente a capacidade dela de enfrentar cenários negativos é substancial.

Não é porque a bolsa despencou lá em março, que todas as empresas perderam seus fundamentos. Quem soube controlar as emoções e conseguiu se firmar na racionalidade, comprou ações com valores bastante descontados.

9. Reinvista os dividendos e JSCP (Juros Sobre Capital Próprio)

Se você ainda está em fase de construção de patrimônio, reinvista os dividendos e JSCP! Dessa forma, você permite que os juros compostos entrem em ação, sem contar que, quanto antes fizer isso, melhor.

Gastar os dividendos e JSCP só faz sentido se você já atingiu o seu objetivo de acumulação de recursos, caso contrário: foco, Yubber! Esse reinvestimento vai te gerar boas doses de alegria.

Você perceberá que, ao longo do tempo, os dividendos e JSCP tomarão proporções inimagináveis, formando uma bola de neve e potencializando seus investimentos.

Então é isso, Yubber! Conta aí se você gostou do artigo. E para finalizar, não se esqueça: conte sempre com a gente!


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo