Critério de Kelly: dá para usar essa estratégia na bolsa de valores?

A ideia da fórmula é simples: ela diz que o valor que você quer apostar deve ser tão grande quanto a probabilidade de ganhar menos a probabilidade de perder.

Se gosta de apostar, o critério de Kelly é interessante para você.

Fique com a gente no artigo e entenda melhor o que significa esse conceito e saiba se é possível utilizá-lo na bolsa de valores.

Primeiro, de onde surgiu esse termo?

Yubber, o critério de Kelly surgiu na década de 50, quando um matemático americano, chamado John Kelly, foi convidado para analisar os ruídos das chamadas de longa distância dos Estados Unidos.

Na época, John Kelly trabalhava para AT&T’s Bell Laboratory, uma companhia telefônica. Ela quem pediu para que John analisasse os ruídos.

Para a tarefa, foram utilizados métodos probabilísticos, até que ele chegou à Formula de Kelly. Depois disso, o método foi incorporado por jogadores de cassino e investidores do mercado financeiro para medidas de risco.

O que é o critério de Kelly?

O critério de Kelly é uma fórmula matemática que vai ajudar a determinar o valor de apostas.

A ideia da fórmula é simples: ela diz que o valor que você quer apostar deve ser tão grande quanto a probabilidade de ganhar menos a probabilidade de perder.

Por exemplo: se você tem 60% de chance de ganhar e 40% de chance de perder, o que você deveria apostar da sua banca é 20% (60-40). Mas essa é uma análise simplista; a fórmula é um pouco mais rebuscada.

Se o valor for igual a 0 ou menor ainda que zero (ou seja, negativo), a aposta não deve ser feita. A fórmula é justamente para reduzir a probabilidade de você perder todo o dinheiro.

O valor da aposta será sempre uma porcentagem da sua banca, considerando que as chances de ganhar são maiores que as chances de perder.

E a fórmula só deve ser usada quando você sabe que o investimento ou aposta vale a pena. Ou seja, se o investimento ou a aposta não forem promissores, você não deveria usá-la.

Há dois motivos principais para que uma pessoa use a fórmula Kelly:

  • Maximização de ganhos;
  • Redução do risco de perda total do dinheiro.

Traduzindo para os investimentos, fica assim:

Qual o percentual do meu capital eu deveria alocar, considerando as probabilidades de perdas e ganhos?”

Mas isso desde que tenha esperança matemática positiva.

Fórmula de Kelly

A fórmula desenvolvida por John Kelly é a seguinte:

Onde:

K – Percentual do capital considerado ótimo a ser alocado;

P – Probabilidade de acerto, conhecido também como odds;

B – Ganhos/Perdas;

O 1 – P diz respeito às chances de perda.

Como em jogos de moedas ou cartas, há pessoas que apostam na bolsa, ou seja, que acreditam que determinado ativo irá atingir o que eles esperam que atinja.

Mas, como ninguém tem bola de cristal, uma forma de tentar chegar perto do acerto é lançar mão de fórmulas probabilísticas para realizar as projeções.

Vamos imaginar que há notícias por aí de que uma determinada empresa pode reestruturar sua governança.

Então, as possibilidades são:

a) Trocar a governança;

b) Não trocar a governança.

Por conta disso, você percebe que as ações dela vêm caindo nos últimos meses.

Depois de fazer um valuation, considerando os dois cenários, você chegou à seguinte conclusão:

  • Preço atual da ação: R$ 20,00
  • Preço justo da ação caso haja a troca de governança: R$ 40,00
  • Preço justo da ação caso não haja a troca de governança: R$ 10,00

Além do mais, depois de ter analisado melhor essa situação, você acredita que há 70% de chance de que haja a troca, e 30% de que não haja a troca.

Pergunto: você deveria investir nessa ação? E se sim, qual o percentual do patrimônio que você deveria alocar?

Vamos aos cálculos.

Ou seja, em cima desse cenário, o percentual ideal do seu patrimônio a ser investido é de 55%.

Mas, é claro que isso são probabilidades, o que não quer dizer que vai acontecer. Seja cauteloso.

É possível usar a fórmula na bolsa de valores?

Sim, Yubber, é possível utilizar a fórmula na bolsa de valores, pois ela também é aplicável nos investimentos.

Mas, a fórmula tem uma essência mais especulativa. Faz mais sentido para quem tem um perfil de investidorde curto prazo, que geralmente são os traders.

Agora, para quem é buy and hold, o que importa mesmo são os fundamentos da empresa.

E aí, Yubber, gostou do artigo?


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo