Gestão de carteira: o que é e como fazer?

A gestão de carteira é fundamental para que se possa maximizar os lucros e, ao mesmo tempo, reduzir os riscos dos investimentos. Por causa da volatilidade do mercado, ela é ainda mais importante quando se trata de investimentos de renda variável.

Quer saber como isso funciona? Então, siga a leitura e descubra como fazer uma gestão eficiente do portfólio de investimentos!

O que é preciso para fazer uma boa gestão de carteira?

A primeira coisa a entender é que não existe uma fórmula única de se fazer uma gestão de carteira eficiente. Isso porque o processo depende de muitas variáveis, como, por exemplo, a situação atual da economia, as taxas de juros e as expectativas do investidor em relação ao seu patrimônio.

No entanto, existem algumas premissas que podem ser consideradas básicas em qualquer situação. Vejamos algumas delas:

Grau de tolerância ao risco

Esse é o primeiro ponto a ser pensado em relação à gestão da carteira de investimentos.

Aqui no Yubb, a gente já falou algumas vezes sobre a relação que os rendimentos têm com os riscos das aplicações. Ou seja, as possibilidades de ganhos estão diretamente relacionadas ao quanto de risco o investidor está disposto a assumir para que elas ocorram.

No entanto, o risco da carteira deve ser compatível com o perfil de investidor, se conservador, moderado ou agressivo. É isso o que definirá a alocação mais adequada dos ativos que irão compor o portfólio.

Alocação de ativos

O próximo passo é definir a escolha dos ativos e o quanto cada um representará no portfólio. Nesse sentido, escolher categorias de ativos que se movimentam em direções diferentes é muito importante para mitigar os riscos da carteira. Ações e investimentos em moeda estrangeira são bons exemplos de modalidades que se movem em direções contrárias na maioria das vezes. Se a economia local não vai bem, ter investimentos internacionais é uma boa forma de proteger parte do patrimônio.

Diversificação da carteira

Essa premissa está diretamente relacionada à anterior. Ao diversificar a carteira, o investidor não somente estará protegendo mais o seu patrimônio como, também, encontrando mais possibilidades de ganhos. Isso também é muito importante para a gestão de carteira.

Rebalanceamento

Por fim, o rebalanceamento (ou reajustamento) do portfólio também deve fazer parte de uma boa gestão de carteira.

Isso porque, com o passar do tempo, são alterados os valores de mercado dos investimentos. Além disso, uma estratégia que fazia sentido em um determinado momento, pode não ser a mais adequada nos dias de hoje.

Por exemplo, períodos de queda de juros são mais propícios a investimentos prefixados. Já na situação contrária, quando a expectativa é de elevação das taxas, os pós-fixados têm maior potencial de rentabilizar a carteira.

Clique aqui e entenda quando escolher investimentos prefixados e pós-fixados.

Essas foram algumas dicas básicas sobre como fazer uma gestão de carteira. Caso você ainda não se sinta totalmente seguro para dar todos esses passos, há também a opção de contar com um assessor de investimentos para lhe ajudar nesse processo. Quer saber o que faz esse profissional? Então, clique aqui e descubra!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo