Aluguel de ETFs vale a pena?

Assim como acontece com as ações, também é possível alugar cotas de ETFs. Mas será que dá para ganhar dinheiro com essa operação? É o que vamos descobrir neste artigo. Continue a leitura, e descubra se o aluguel de ETFs vale a pena!

Vale a pena o aluguel de ETFs?

Aqui no Yubb, a gente já falou algumas vezes sobre os ETFs. Mas não custa relembrar alguns conceitos, certo?

O que são ETFs

Os ETFs (Exchange Traded Fund) são fundos de investimento que buscam replicar algum índice do mercado financeiro. Nesse sentido, existem ETFs que acompanham o Ibovespa; outros, investem no S&P 500; e outros ainda são mais específicos, como os que investem em small caps na B3, por exemplo.

Trata-se de um investimento bastante simples, uma vez que o seu objetivo é, simplesmente, seguir o benchmark escolhido pelo gestor. Se o Ibovespa subir, as cotas de um ETF atrelado a esse índice acompanharão a mesma tendência, e vice-versa.

Aluguel de ETFs

O que muitos não sabem é que, assim como ocorre com as ações, também é possível alugar cotas de ETFs. Vejamos como isso funciona na prática.

Por que alugar ETFs?

Digamos que um investidor, que acompanha o movimento da bolsa brasileira, acredite que o Ibovespa vai cair nos próximos meses. Esse investidor deseja lucrar com a queda das ações na bolsa. Uma das formas dele conseguir isso é por meio do aluguel de um ETFs referenciado no Ibovespa.

E como fazer isso?

O procedimento é bem simples. O dono das cotas do ETF é chamado de “doador” no mercado financeiro. Já quem deseja alugá-las é conhecido como “tomador”. Prevendo a queda do Ibovespa, o tomador aluga hoje as cotas do ETF, vende-as para terceiros no mercado e faz a recompra no vencimento do prazo que acordou com o doador.

Se as suas expectativas se confirmarem e o Ibovespa realmente estiver mais baixo no vencimento da operação, ele recompra as cotas do ETF por um preço menor do que vendeu. A diferença entre o valor de venda e o que ele pagou pelas cotas será o lucro da operação.

Lucrando com a desvalorização de um ativo

Pode ser novidade para muitos, mas dá sim para lucrar quando alguns ativos se desvalorizam. É o que acontece com o tomador no caso do ETF, quando o índice do fundo está menor no vencimento da operação do que no seu início.

Operar apostando “contra” o mercado também se chama operar “vendido” (ou short). Já quem aposta valorização (situação mais comum), está operando “comprado (ou long).

Neste artigo, saiba mais sobre o long and short, duas importantes estratégias do mercado financeiro.

Mas afinal, vale a pena alugar ETFs?

Aqui, vale a mesma lógica que para o aluguel de outros ativos.

Para o doador, representa mais uma possibilidade de ganho com a aplicação, além da valorização das cotas. Para o tomador, é uma alternativa mais barata do que comprar cotas do fundo.

No entanto, há o risco de as expectativas do tomador não se cumprirem e as cotas subirem ao invés de sofrerem desvalorização. Se isso acontecer, ele terá prejuízo, pois precisará recomprar essas cotas por um valor maior do que pagou para poder devolvê-las ao doador no vencimento da operação.

Quer saber mais sobre ETFs? Então, dê uma olhada nos artigos abaixo!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo