Payback: o que é e como calcular?

Yubber, hoje você vai aprender o que é payback e como calculá-lo. Para ser mais específica, falaremos sobre o payback simples (ou efetivo).

Digo isso pois há também o payback descontado. Inclusive, nós temos um artigo muito interessante sobre payback descontado. Sugiro que leia, pois, além de complementar o assunto, ele vai corrigir uma limitação presente no modelo simples. Para acessar, é só clicar AQUI.

Vamos lá, Yubber!

O que é payback?

O payback é, basicamente, o tempo que você levará para recuperar seus recursos que foram aplicados em algum investimento.

Esse indicador é muito utilizado em projetos, por exemplo, para saber a viabilidade e o potencial de retorno das aplicações.

Então, a pergunta ideal que ilustra o conceito é: em quanto tempo eu vou recuperar o dinheiro que investi?

Essa identificação do prazo que leva para o valor investido ser recuperado é feita por meio de fluxos de caixa gerados pelo investimento.

Quanto menor for o resultado, melhor, pois isso significa que mais rápida será a recuperação do dinheiro investido.

Como calcular o payback?

Yubber, vamos imaginar um cenário para então aplicarmos o cálculo que, inclusive, é bastante simples.

Suponhamos que você queira investir em um determinado projeto, e que esse projeto demande cerca de R$ 30 mil. Ao fazer uma projeção de fluxo de caixa, você obteve os seguintes resultados.

Em nosso exemplo, você vai recuperar o investimento em três anos. A conta é a seguinte:

Payback = investimento inicial / saldo do fluxo de caixa

Payback = R$ 30 mil / R$ 10 mil

Payback = 3 anos

Ou você pode ir fazendo uma continha simples de subtração e, caso apareça algum valor do saldo de caixa maior que o valor a recuperar, fazer outra continha simples, mas dessa vez de divisão (você já vai entender o que estou querendo dizer).

Inclusive essa é a forma mais apropriada, pelo seguinte motivo: não faz sentido algum todos os saldos do fluxo de caixa serem uniformes durante os anos, concorda? Na vida real não é assim que acontece.

Ok, no nosso exemplo, nós podemos utilizar a fórmula (investimento inicial / saldo do fluxo de caixa), pois todos os valores são iguais, então o resultado da fórmula será o mesmo da subtração, mas e quando os valores forem diferentes? Aí a fórmula não vai se encaixar, portanto a subtração é bem-vinda.

Vamos para um exemplo mais realista.

Yubber, é possível automatizar isso em uma planilha eletrônica, mas a ideia aqui é te mostrar o conceito, da forma mais didática possível. Se você entender ele, conseguirá aplicar facilmente depois.

Bom, vamos considerar o mesmo exemplo, porém com saldos diferentes de fluxo de caixa.

Para realizar o cálculo, é simples:

Valor a recuperar – saldo do fluxo de caixa

Ano 1 = R$ 30 mil – R$ 5 mil = R$ 25 mil

Ano 2 = R$ 25 mil – R$ 8 mil = R$ 17 mil

Ano 3 = R$ 17 mil – R$ 10 mil = 7 mil

Após o término do ano 3, ainda faltarão R$ 7 mil para entrar no caixa e “zerar” o investimento feito. Porém, perceba uma coisa: o fluxo de caixa do ano seguinte é superior ao que você precisa para chegar ao payback.

Logo, isso significa que não será necessário esperar o ano inteiro para recuperar o investimento. Portanto, teremos de fazer assim:

Ano 4 = R$ 7 mil / R$ 13 mil = 0,53

Então, o payback simples será de 3,53 anos ou, ainda, de 3 anos, 6 meses e alguns dias (encontrei os 6 meses fazendo 0,53 x 12 meses, pois é a próxima unidade depois de ano).

Esse é o tempo em que você recuperaria o seu dinheiro investido.

Vantagens e desvantagens

O payback é uma medida bastante utilizada, por conta de sua simplicidade, então oferece melhor compreensão na hora de avaliar projetos menos técnicos em finanças.

Além do mais, é utilizado como desempate quando há vários projetos e você tem de decidir por apenas um, portanto, é usual que se escolha aquele que tenha recuperação mais rápida, ou seja, payback menor.

Mas, como nada é perfeito, ele também tem suas limitações, como não considerar o valor do dinheiro no tempo. Essa limitação é corrigida pelo payback descontado, então sugiro, mais uma vez, que leia o artigo sobre o assunto.

Outra limitação é que ele não considera as entradas de caixa após o período de payback. Imagine, por exemplo, que você tenha que decidir entre dois projetos. E vamos supor, ainda, que o período de payback seja de três anos para os dois, e que os saldos dos fluxos até esse período sejam iguais.

Mas, olha só: o projeto 1, após o terceiro ano, tem um saldo de fluxo de caixa de R$ 50 mil, enquanto o projeto 2 tem um saldo de fluxo de caixa de R$ R$ 6 mil.

Qual você escolheria? Certamente o projeto 1. Isso o payback não te informa.

Então, é uma ferramenta muito interessante, mas que não deve ser utilizada de forma isolada, pois contém suas limitações. Faça sempre uma análise macro de seu projeto/investimento.

Por hoje é só, Yubber. Espero que esse artigo tenha te ajudado. Comente aí se você gostou!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo