DeFi: saiba como funcionam as finanças descentralizadas

Nos últimos anos, o ethereum e outros tipos de contratos inteligentes (smart contracts) impulsionaram uma nova modalidade de transações financeiras: o DeFi.

O DeFi (ou finanças descentralizadas) permite que transações de valores sejam feitas por meio de contratos digitais programáveis (daí o nome de “contratos inteligentes”). A seguir, saiba mais sobre essa tecnologia que não necessita da intervenção humana.

Como funciona o DeFi

Da mesma forma que a maioria dos criptoativos, as plataformas DeFi são construídas com a tecnologia blockchain. Essas plataformas surgiram com o objetivo de criar um sistema financeiro aberto e descentralizado, que favorece a inclusão financeira para todos os usuários.

Neste artigo, saiba mais sobre a tecnologia blockchain.

Na prática, o que o DeFi oferece são os mesmos produtos financeiros das instituições financeiras tradicionais. A diferença é que não existe uma autoridade regulamentadora que controle esses contratos.

Vantagens do DeFi

Além de democratizar o acesso aos serviços financeiros, as plataformas DeFi permitem que o usuário acesse essas transações a qualquer momento e de onde estiver. Para isso, basta ter uma conexão de internet.

Além disso, essas transações são extremamente rápidas e muito mais baratas do que se fossem feitas pelos meios financeiros tradicionais. Isso porque há menos intermediários nessas operações, logo é possível baratear muito esses serviços.

Diferença entre DeFi e fintech

Muitas pessoas confundem as plataformas DeFi com as fintechs. Afinal, ambos oferecem a possibilidade de realizar serviços financeiros sem a participação das instituições financeiras tradicionais. Para isso, basta ter acesso à internet.

Porém, a principal diferença é que, enquanto o DeFi funciona exclusivamente via tecnologia blockchain, as fintechs possuem toda a sua estrutura na internet.

Tanto o DeFi quanto as fintechs vieram para democratizar o acesso aos serviços financeiros. No entanto, as finanças descentralizadas ainda precisam amadurecer mais para oferecerem todos os serviços dos quais os usuários necessidam. Nesse sentido, as fintecs já estão bem mais avançadas e organizadas.

Neste artigo, saiba mais sobre as fintechs.

Diferença entre DeFi e Open Banking

Outra confusão comum de se fazer é entre as finanças descentralizadas e o open banking. Embora ambos também promovam a democratização dos serviços financeiros, trata-se de conceitos completamente diferentes.

Assim como o DeFi e as fintechs, o open banking também vai aumentar a concorrência entre os players do mercado financeiro. Isso porque também ajudará a reduzir tarifas e juros cobrados em diversas transações.

No entanto, no conceito de open banking, sempre será necessário algum banco, fintech ou outro tipo de empresa que opere com serviços financeiros. Isso porque o modelo visa o compartilhamento dos dados dos usuários entre as instituições financeiras, logo é necessária a participação das mesmas.

Outro ponto importante a lembrar é que, diferentemente do DeFi, o open banking possui fiscalização, pois foi criado e regulamentado pelo Banco Central.

Clique aqui e saiba mais sobre como funciona o open banking.

Se você se interessa por tecnologia nos serviços financeiros, dê uma olhada também nos artigos abaixo!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo