Whitepaper: o que é e para que serve?

Se você se interessa pelo mundo das criptomoedas, é importante conhecer alguns conceitos específicos desse universo. Um deles é o whitepaper, pois esse documento dá credibilidade ao ativo e tem o poder de atrair investidores.

A seguir, saiba mais sobre a importância desse documento para as criptomoedas.

O que é whitepaper?

De forma simplificada, o whitepaper é um documento que serve como um guia para explicar algum conceito ou demonstrar a solução de um problema específico.

No caso das criptomoedas, o whitepaper traz todas as informações relevantes sobre o ativo. Basicamente, funciona como os papers acadêmicos, que devem ser feitos no final de uma graduação ou de um projeto de mestrado ou doutorado, por exemplo.

É no whitepaper que estão descritos os fundamentos que serviram de base para a criação do criptoativo. Além de um resumo do seu funcionamento, esse documento tem também todas as especificações da criptomoeda em questão.

Formato do whitepaper

Não há um formato padrão para esse documento, pois existem milhares de criptoativos destinados às mais diversas aplicações. No entanto, há informações básicas que o whitepaper deve conter, como:

- a que propósito a criptomoeda se destina (qual o problema do mercado que ela visa resolver);

- como funcionará a solução proposta;

- qual o tamanho (abrangência) do mercado;

- explicações técnicas sobre a utilização do token;

- como foi desenvolvido e lançado o projeto;

- qual o roteiro e prazo para a implantação;

- informações sobre ICO (oferta inicial de criptomoedas) e/ou mineração;

- quantidades de moedas emitidas, informações sobre processamento de transferências e pagamentos, liberação e implantação de tokens, etc.

- equipe técnica responsável pelo projeto;

- aspectos legais do criptoativo.

Qual a importância do whitepaper

A principal finalidade desse documento é servir como guia para a decisão de investimento. Isso porque, no mundo das criptomoedas, há muitos investidores que desejam entender mais a fundo os motivos pelos quais esses ativos foram criados. E isso é muito importante, pois quanto mais sólidos forem esses fundamentos, mais credibilidade o criptoativo terá e, consequentemente, maiores serão as chances de que atraiam investidores no mundo inteiro.

Com base em todas as informações relacionadas no item anterior, fica mais fácil para o investidor entender o propósito da criptomoeda. Isso ajuda a despertar mais interesse e facilita a venda do ativo, mesmo antes do ICO.

Por isso, a primeira coisa que se recomenda a quem deseja tanto começar a investir em criptomoedas quanto diversificar os criptoativos é a leitura atenta do whitepaper. Além de explicar todo o funcionamento técnico da criptomoeda, esse documento falará também da motivação que levou à sua criação e da contribuição de cada um dos criadores do ativo. Em um universo extremamente volátil quanto o das criptomoedas, um whitepaper robusto e com sólidos fundamentos técnicos proporciona muito mais credibilidade ao investimento.

Blue paper e yellow paper

Se, por um lado, o whitepaper é o documento que descreve as políticas e procedimentos da criptomoeda, o blue paper e o yellow paper trazem o registro das especificações técnicas utilizadas na sua construção. Trata-se de documentos complexos e voltados não ao público, mas a profissionais do ramo, que precisam saber aspectos técnicos detalhados do projeto.

O whitepaper do Bitcoin

O whitepaper do Bitcoin, a pioneira das criptomoedas, foi publicado em 2008. em nove páginas, Satoshi Nakamoto descreveu um sistema de pagamentos mundial totalmente descentralizado, que funcionaria diretamente de usuário para usuário.

A seguir, confira um resumo com alguns dos principais pontos desse documento:

Tecnologia blockchain

A plataforma bitcoin é baseada na tecnologia blockchain, que funciona basicamente como um banco de dados. A diferença é que não há um registro centralizado de suas informações. Em vez disso, os dados armazenados no blockchain ficam dispersos na rede mundial de computadores e podem ser acessados pelos usuários somente para consulta, pois são imutáveis.

No artigo abaixo, saiba mais sobre o funcionamento do blockchain.

Transações

Cada transação realizada na rede bitcoin recebe uma autenticação, e o seu processamento ocorre na ordem de verificação. Isso impede que sejam realizadas novas transações utilizando o mesmo token, o que proporciona segurança à rede, uma vez que não há nenhuma instituição centralizadora que faça o controle dessas operações.

Timestamp (ou “carimbo de tempo”)

Cada transação realizada na rede recebe um registro de dia e hora, e quem faz isso é o timestamp, o programa de autenticação. Basicamente, o timestamp publica o processo de envio da transação.

Proof of Work (ou “prova de trabalho”)

Basicamente, a prova de trabalho (PoW) cumpre duas funções no bitcoin: garantir o consenso e a segurança da rede. O consenso serve para aprovar as transações, enquanto a segurança consegue evitar o problema do gasto-duplo, que vimos anteriormente.

Atualmente, são realizadas mais de 250 mil transações diárias na rede bitcoin. Essas transações precisam ser aprovadas na rede para que possam se confirmar, e isso leva cerca de 10 minutos. Como a rede não é centralizada, não há quem coordene os diferentes nós (veremos a seguir) espalhados pelo mundo. É ai que entra a prova de trabalho para realizar o consenso.

Execução da rede

Os nós são todas as partes descentralizadas que formam a rede bitcoin no mundo. Existem diferentes fases na ordem dos processos que formam esse sistema, que são:

1 – registro de novas transações em todos os nós;

2 – cada nó grava as transações em um bloco;

3 – depois disso, cada um dos nós passa por uma PoW com alto grau de dificuldade.

4 – depois de feito o teste, é emitido o bloco para todos os nós;

5 – se o teste for validado, os nós aceitam esse bloco e é criado o próximo bloco da rede.

Considerações finais

Nossa intenção foi lhe mostrar o que é um whitepaper e por que você deve conhecê-lo para investir com mais segurança em criptomoedas.

Há muito mais para saber sobre o universo dos criptoativos. Por isso, a gente recomenda que você dê uma olhada nos artigos abaixo, e siga nosso blog e canal no YouTube para ficar sempre por dentro desse e de outros assuntos sobre investimentos!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo