O que é uma startup?

Uma startup é um tipo de empresa que está em fase inicial de crescimento e desenvolvimento. Em geral, trabalha com ideias inovadoras e tem um modelo escalável de negócio. Por conta do potencial, são muito conhecidas por proporcionarem ganhos muito expressivos aos seus primeiros investidores.

O termo é usado há algumas décadas e anteriormente se destinava àquelas companhias iniciantes no mercado. No entanto, por conta do crescimento das empresas de tecnologia - como a Microsoft e Apple -, a palavra começou a ser relacionada a produtos e serviços de inovação.

Isso porque uma das características desse tipo de instituição é que elas geralmente não trabalham com esquemas tradicionais de serviço. Ou seja, não usam fórmulas consagradas de negócio. Por conta disso, existe um grande risco nessas operações. No entanto, as oportunidades de ganho são muito mais expressivas do que as convencionais.

O próprio Yubb é um ótimo exemplo quando o assunto é startup. Nossa plataforma é toda pensada em serviços de inovação voltados para o mercado financeiro.

O que caracteriza uma startup?

Para ser chamada de startup, uma empresa deve possuir três fundamentos: trabalhar com ideias inovadoras, ter um modelo de negócio escalável e envolver um método repetível de trabalho.

Como já mencionamos anteriormente, o primeiro conceito diz respeito à inovação. Com isso, uma startup vai atuar oferecendo bens ou serviços diferentes daqueles que já são considerados hegemônicos no mercado. Por conta disso, essa característica carrega consigo um cenário de incerteza muito grande.

Ainda assim, obviamente, o desenvolvimento de novas tecnologias é vital para a evolução do mercado como um todo. Por isso, grandes empresas, ainda que consolidadas, sempre ficam atentas às novidades para que não fiquem para trás nesse processo.

A outra perspectiva, do modelo escalável, significa que os processos de crescimento acontecem de uma forma mais significativa do que os custos. Ou seja, se a startup crescer, os gastos das operações não vão crescer proporcionalmente ao número de clientes.

Com isso, a possibilidade de ganhos é muito mais expressiva do que em modelos convencionais. Isso porque boa parte da estrutura delas é montada já no início das operações. O potencial de crescimento é justamente envolvido nesse e no próximo fundamento: a repetibilidade.

Essa é a última grande característica das startups: a capacidade de repetir os seus produtos em uma escala com potencial ilimitado, sem muita customização ou alterações para cada cliente.

Como investir em startups?

São várias as maneiras de se investir em startups e atualmente existem até mesmo plataformas que ajudam a conectar investidores e projetos desse tipo. Os tipos possíveis de investimento são: Investimento Anjo, Fundos semente, Equity crowdfunding, Venture Capital, Private Equity.

Cada uma delas tem um valor definido para aporte e especificações diferentes. Atualmente, a forma mais fácil de investir é por meio de plataformas de crowdfunding. Algumas até possuem a autorização da Comissão de Valores Mobiliários para funcionar.

É o caso da Captable, que é um dos principais sites desse tipo no Brasil. O objetivo deles é reunir investidores de startups que já tenham passado pela etapa de validação do produto e que precisam de capital para crescer. Em 2018, nós fomos conhecer a empresa deles em Porto Alegre e entender como funciona. Se quiser saber mais, clique aqui.


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo