Como escolher um fundo DI?

Os fundos DI são velhos conhecidos dos investidores no Brasil. Isso porque eles são conhecidos por terem uma rentabilidade maior do que a poupança. Mas será que atualmente isso ainda é válido?

Para você que deseja entender mais sobre o que é e como funciona um fundo DI, este é o lugar certo. Este artigo vai te mostrar todos os detalhes sobre este tipo de fundo, que são:

  • O que é um fundo DI?
  • Quais são suas vantagens e desvantagens?
  • Quais são seus custos?
  • Como e onde investir?

O que é um fundo DI?

Os fundos DI são excelentes opções para alocar sua reserva de emergência.

Isso porque seu objetivo principal é seguir a taxa do CDI (Certificado de depósito imobiliário), que é seu índice de referência.

Por isso, seus gestores são focados em aplicar o dinheiro nos títulos de renda fixa que acompanham a taxa selic.

Vantagens e desvantagens de um fundo DI

Por ter quase 100% de seu patrimônio alocado em renda fixa, são ativos que possuem uma alta segurança.

Possuem um rendimento médio de 95% a 100% do CDI. Por isso são mais vantajosos do que a própria poupança.

Um importante fator desse tipo de ativo é que o patrimônio do investidor fica juridicamente separado do patrimônio da instituição.

Ou seja, caso o banco ou a corretora venham a falir, o seu dinheiro investido estará sob proteção.

Sua liquidez também é bem atrativa, oferecendo uma liquidez diária, fazendo com que seja possível resgates instantâneos.

É bastante acessível para qualquer tipo de investidor, pois oferece cotas a partir de R$ 100,00.

Mas, por um outro lado, são ativos que não possuem uma alta rentabilidade, justamente por apresentarem um risco pequeno, a retorno é menor.

Além do que, mesmo que seu patrimônio esteja separado do patrimônio da instituição intermediadora, o FGC (Fundo Garantidor de Créditos) não garante seu dinheiro de volta, caso a instituição venha a usá-lo de maneira inadequada.

Custos de um fundo DI

Um dos custos de um fundo DI é a taxa de administração, que é cobrada pela instituição intermediadora para gerir todas as operações do fundo. 

Ela é representada de uma forma percentual anual sobre o patrimônio do investidor, mas é cobrada diariamente, em suas proporções.

São fundos que possuem uma tributação assim como os fundos de renda fixa em geral, sendo cobrados 2 tipos de imposto: IOF e imposto de renda.

Entretanto, o IOF só é cobrado se o resgate for realizado em menos de 30 dias a partir da aplicação. 

Mas para efeitos de tributação, os fundos DI são divididos em fundos de curto prazo e fundos de longo prazo. 

Os fundos de curto prazo são tributados dessa maneira:

  • Até 180 dias de aplicação: 22,5%
  • Acima de 180 dias 20%

Já os de longo prazo:

  • Até 180 dias: 22,5%
  • De 180 a 360 dias: 20%
  • De 361 a 720 dias: 17,5%
  • Acima de 720 dias: 15%

A cobrança é feita semestralmente.

Como e onde investir em fundo DI?

Para investir em qualquer fundo DI, o primeiro passo é abrir uma conta em qualquer corretora ou, se você já tiver uma, é só acessá-la e pesquisar os ativos disponíveis.

Esses fundos DI são negociados a preços bem acessíveis, portanto, basta analisar qual é o melhor e qual tem um maior custo benefício para o seu perfil de investimento.


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo