Rebalanceamento: o que é e como funciona?

Para que os investimentos alcancem a rentabilidade esperada, é preciso que eles acompanhem os movimentos da economia e do mercado financeiro. É justamente para isso que serve o rebalanceamento de carteira.

Neste artigo, vamos mostrar o que significa rebalancear a carteira, e de que forma você pode utilizar essa técnica para potencializar os seus ganhos e reduzir os riscos das aplicações. Acompanhe a leitura!

O que é rebalanceamento da carteira?

Ao montar uma carteira, o investidor tem objetivos financeiros definidos. No entanto, com o passar do tempo, pode ser que esses ativos deixem de corresponder às suas expectativas iniciais. Quando isso acontece, é hora de fazer o rebalanceamento da carteira.

Basicamente, o rebalanceamento é uma técnica utilizada para ajustar o percentual dos ativos que formam a carteira aos objetivos iniciais estabelecidos pelo investidor.

Exemplo de rebalanceamento

Um exemplo ajuda a entender como funciona o rebalanceamento na prática.

Imagine que um investidor tenha montado uma carteira com a seguinte distribuição de seus recursos: 70% em modalidades de renda fixa mais conservadoras (como CDBs, tesouro direto e fundos DI) e 30% em ações de algumas companhias.

Agora, imagine que, depois de seis meses, a bolsa tenha disparado, ao mesmo tempo que a Selic sofreu sucessivos cortes. Ao analisar a sua carteira, esse investidor percebeu que, por causa desses eventos (alta das ações e queda da Selic), a parte de renda fixa passou a representar 60%, e as ações, 40%.

Perceba que a distribuição atual do patrimônio do investidor já não condiz com a sua estratégia inicial, certo? É nesse momento que o rebalanceamento é necessário. Ou seja, para manter a sua carteira alinhada aos objetivos iniciais, o ideal será vender parte das ações e adquirir novos títulos de renda fixa, até que os percentuais atuais voltem a respeitar o que foi determinado inicialmente.

Existe um período certo para se fazer o rebalanceamento?

Não há um período predeterminado para se fazer o rebalanceamento da carteira. Isso porque o mercado é dinâmico, e a qualquer momento os ativos podem deixar de atender os objetivos iniciais do investidor.

No exemplo acima, falamos da alta do mercado acionário de forma geral. Mas pode acontecer, por exemplo, que só uma determinada ação suba acima da média geral. Dependendo do percentual que essa ação represente no portfólio total, a sua alta afetará mais ou menos o desempenho da carteira. Se o impacto for expressivo, pode ser a hora de fazer o rebalanceamento. Ou seja, para manter o equilíbrio da carteira, pode ser interessante vendê-la ou substituí-la por outro ativo.

Em outras palavras, o rebalanceamento consiste em vender os ativos que estão representando mais do que o desejado no portfólio e, ao mesmo tempo, adquirir outros para retomar o equilíbrio da carteira. Trata-se de uma estratégia de gestão de risco dos investimentos e, ao mesmo tempo, de diversificação do portfólio.

Deu para entender para que serve e quando fazer o rebalanceamento da carteira? Se você quiser saber mais sobre o assunto, mande suas perguntas ou deixe abaixo as suas sugestões!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo