Double spending: o que é e qual é o risco?

Se você já investe em bitcoin ou em outras criptomoedas, ou está pensando em começar a investir nesses ativos, precisa saber o que significa double spending.

Assim como blockchain e cold wallet, esse é mais um dos novos termos que surgiram recentemente com o universo das criptomoedas. A seguir, entenda de que forma o double spending pode acontecer, e conheça as abordagens utilizadas para evitar esse problema na negociação de criptoativos. Confira!

Para começar, o que é double spending?

O double spending (ou “gasto duplo”) acontece quando um mesmo bitcoin é utilizado duas vezes. Na prática, isso ocorre quando um usuário faz uma transação utilizando a criptomoeda e, logo em seguida, realiza outra utilizando o mesmo ativo.

Nos sistemas de pagamentos oficiais, como o Pix, por exemplo, isso não acontece. Porém, em um sistema de moedas virtuais, como o blockchain, há chances de que essa falha possa ocorrer, mesmo que muito raramente. Isso prejudica os outros usuários e causa um problema em toda a rede.

Como isso acontece?

Imagine a seguinte situação: o usuário “X” faz uma transferência para o usuário “Y”. No entanto, ele faz isso sem informar nenhum outro usuário do sistema sobre essa transação. Então, logo depois, o usuário “X” utiliza a mesma criptomoeda para fazer uma nova transferência, dessa vez para o usuário “Z”.

Perceba que, nesse caso, Y e Z terão a mesma moeda, que foi gasta duas vezes pela mesma pessoa.

O que é feito para evitar o double spending?

Existem duas principais estratégias que visam evitar o problema do gasto duplo: a centralização e a descentralização. Vejamos como funciona cada uma delas.

Centralização

Na estratégia de centralização, existe a participação de uma terceira entidade, responsável por autorizar as transações realizadas. Isso permite que seja feita a checagem de tudo o que aconteceu no sistema, para saber se as criptomoedas já foram utilizadas anteriormente.

O problema dessa estratégia é que, se acontecer qualquer falha no sistema da entidade que faz a verificação, isso poderá fazer com que milhares de transações não sejam processadas. Se isso ocorrer, a rede será prejudicada como um todo.

Além disso, é preciso encontrar uma entidade autorizadora extremamente confiável, pois ela terá acesso a todos os dados do envio.

Descentralização

Já na descentralização, em vez de uma entidade fiscalizadora, é emitido um protocolo específico chamado prova de trabalho. Esse protocolo é que faz a autenticação da validade da transação.

Em tese, não há como ocorrerem falhas nesse tipo de estratégia. Isso porque na prova de trabalho não existe uma autoridade central responsável pela validação das transações. Em vez disso, essas transações ficam gravadas em uma base de dados chamada blockchain, à qual qualquer um pode ter acesso quando quiser.

Para validar as transações, os participantes seguem um protocolo, que depende de um consenso entre os participantes. Por isso, as chances de que ocorra o double spending acabam sendo muito mais baixas.

Deu para entender como funciona o double spending? Você tem dúvidas sobre esse ou outros assuntos relacionados a criptomoedas? Conte pra gente!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo