Descotização nos fundos de investimento: como funciona

A descotização nos fundos de investimento nada mais é do que a conversão de suas cotas em dinheiro para o investidor. A forma com que ela ocorre deve constar no regulamento de cada fundo.

Confira a seguir mais detalhes sobre esse processo.

Como ocorre a descotização nos fundos de investimento?

Tudo o que acontece em um fundo de investimento deve estar previsto no seu relatório. Os prazos de cotização e descotização são um desses itens obrigatórios do regulamento.

As aplicações de recursos em um fundo de investimento nem sempre ocorrem imediatamente. Normalmente esse processo leva um dia, que é o tempo necessário para a instituição financeira transformar o dinheiro em cotas do fundo. Quando isso é feito, acontece a cotização dos recursos do investidor.

Da mesma forma, quando o investidor decide sair do fundo, ou quando a aplicação chega no seu vencimento, deve ser realizado o processo inverso. Ou seja, as cotas devem ser convertidas em dinheiro, para que possa ser resgatado pelo cotista. Esse é o processo de descotização dos fundos de investimento.

Como são os prazos de descotização dos fundos?

Como vimos, esses prazos deverão constar no regulamento do fundo, que é um documento obrigatório para a modalidade, no qual são demonstradas todas as regras de aplicações desses ativos.

Os prazos de descotização não são os mesmos para todos os fundos de investimento. No regulamento, eles são indicados pela letra “D”. Se o documento informa, por exemplo, descotização em “D+5”, significa que a conversão das cotas em dinheiro será realizada cinco dias úteis após a solicitação. No caso de “D+0” (pouco comum nos fundos de investimento), o processo ocorre simultâneo ao pedido do investidor.

Fundos fechados para resgate

Eventualmente, alguns fundos podem fechar para resgate. Quando isso acontece, os investidores ficam impossibilitados de realizarem descotizações e, consequentemente, não é possível sacar a aplicação.

Vários motivos podem levar ao fechamento dos fundos. Normalmente, períodos de instabilidade no mercado financeiro são uma das principais razões. Isso ocorre porque, em momentos de crise, os cotistas acabam solicitando mais resgates do que em períodos de normalidade. Por isso, para manter a liquidez do fundo, ou seja, para evitar que fique sem caixa, o gestor pode bloquear os saques até que a situação de mercado se normalize.

No entanto, após o comunicado do fechamento, o gestor tem até cinco dias para convocar uma assembleia com os cotistas, na qual será decidido o que fazer com a aplicação. Nesse sentido, existem três possibilidades: permanecer com o fundo fechado, reabri-lo ou começar o pagamento dos resgates. Ou seja, quem decidirá o que fazer com os ativos do fundo serão os próprios cotistas.

O fechamento dos fundos pode trazer prejuízo para o investidor?

Na verdade, o fechamento e a impossibilidade de descotização ocorrem justamente para tentar evitar prejuízos ao investidor. Isso porque, se o gestor precisar vender os ativos para honrar todos os saques, possivelmente consiga preços bem abaixo do valor patrimonial. Isso sim prejudicaria os cotistas, que sofreriam prejuízos no investimento.


Quer começar a investir em fundos? Veja neste artigo algumas dicas para analisá-los:

Deu para entender como funciona a descotização nos fundos de investimento? Caso tenha alguma dúvida, deixe aqui os seus comentários 😉


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo