Private Equity: o que é e como funciona?

No mundo dos investimentos, a expressão private equity se aplica a fundos que investem em empresas de capital fechado. Ou seja, esses fundos aportam recursos em companhias que ainda não realizaram sua primeira oferta pública de ações (IPO). Logo, eles são restritos a investidores privados.

Normalmente, essa modalidade é procurada por quem deseja alto potencial de retorno. Acompanhe esse artigo, e entenda como funcionam esses fundos.

Como funciona o Private Equity?

O objetivo de um private equity é injetar capital em empresas que possuem bom potencial de crescimento a médio e longo prazo. Essa aplicação pode ser feita diretamente por investidores individuais e, também, por meio de empresas, instituições financeiras ou fundos de investimentos.

Muitas vezes, a negociação de um private equity também inclui a participação dos investidores na gestão da empresa. Isso ocorre justamente porque eles apostam no potencial de valorização do negócio com o tempo. Logo, juntamente com o aporte de recursos, a administração da companhia também faz parte da estratégia do investimento.

Com o tempo, a maioria das empresas que recebem investimentos de private equity acabam abrindo capital. Quando isso acontece, o fundo pode continuar na companhia ou sair do investimento, vendendo a sua participação no mercado e, dessa forma, auferindo lucro.

Quais as vantagens de um Private Equity para as empresas?

Além do aporte financeiro, esses investimentos trazem outras vantagens para as companhias. Veja algumas delas:

Expertise na gestão

Como vimos, o private equity pode incluir a gestão dos investidores. Isso agrega conhecimento e contribui para a profissionalização da companhia.

Maior credibilidade perante o mercado

Ao aplicarem as práticas de governança corporativa, os investidores do private equity aperfeiçoam a gestão da empresa. Dessa forma, o mercado passa a ver os seus negócios com uma boa dose de confiança, e isso se reflete na valorização de seus ativos.

Sustentabilidade

Por fim, os fatores anteriores (gestão e credibilidade) melhoram a imagem da empresa e a inserem de forma mais sólida no seu mercado de atuação. Isso tende a gerar sustentabilidade para as suas atividades no futuro.

Para que tipo de investidor o Private Equity é indicado?

Esses investimentos estão diretamente relacionados à estratégia da empresa. Logo, quem pensa em alocar recursos em um private equity deve ter um horizonte de longo prazo.

Além disso, normalmente esses fundos envolvem grandes somas de dinheiro e risco elevado. Afinal, pode levar muito tempo para que a empresa atinja o valor esperado pelos investidores. E, mesmo com uma boa estratégia, podem acontecer fatores adversos ao longo do tempo que poderão provocar prejuízos.

Por todos esses motivos, os fundos de private equity costumam ter uma cláusula de lock-up. Essa cláusula visa dar mais segurança à modalidade, pois proíbe que o investidor retire antecipadamente o dinheiro do fundo. No caso do private equity, dependendo da estratégia do investimento, essa cláusula pode ser de vários anos.

Nesse artigo explicamos com detalhes o que é e como é feito o lock-up.

O mercado de capitais brasileiro ainda não é maduro, se comparado a outros países. Por isso, o private equity ainda não é muito desenvolvido por aqui. No entanto, trata-se de uma importante fonte de investimentos para as empresas pois, quase sempre, as impulsiona para a abertura de capital.

Gostaria de saber mais sobre private equity, ou sobre outras formas de investimentos em empresas? Deixe aqui os seus comentários!


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo