LSE: tudo sobre a Bolsa de Valores de Londres

A London Stock Exchange, também conhecida como LSE, é a principal bolsa de valores do mercado europeu e, também, a quarta maior do mundo. Ela só fica atrás das norte-americanas NYSE (New York Stock Exchange) e NASDAQ e da bolsa japonesa.

Neste artigo, você pode saber mais sobre a bolsa norte-americana NASDAQ. Confira! 

Ao todo, a LSE possui mais de 2.600 companhias listadas. Entre essas empresas, as 100 maiores estão representadas pelo FTSE 100, o principal índice da bolsa londrina.

A seguir, saiba um pouco mais sobre a origem, evolução e importância dessa grande bolsa de valores europeia.

Origem e evolução da LSE

A London Stock Exchange foi a primeira bolsa de valores do Reino Unido, criada em 1801. Em 1973 ocorreu a sua fusão com as bolsas da Irlanda e Grã-Bretanha, porém foi mantido o nome LSE. Por fim, em 2007, uma nova fusão com a Bolsa de Milão deu origem ao Grupo de Valores da Bolsa de Londres.

Em outubro de 2020 a LSE anunciou um acordo para vender a Bolsa de Milão para o grupo Euronext, líder no mercado de capitais europeu. O valor informado da negociação foi de 4,3 bilhões de euros.

No entanto, a operação só deverá ser concluída no primeiro semestre de 2021, e ainda dependerá do aval de órgãos reguladores da Europa.

Como funciona a London Stock Exchange (LSE)

A LSE possui mais de 2.600 companhias listadas de mais de 60 países ao redor do mundo. Essas empresas estão distribuídas em três grupos dentro da bolsa:

Specialist Funds Market (SFM) ou Exchange´s Main Market

O SFM (ou mercado de fundos especializados) contempla as empresas com mais alto grau de governança da LSE. Por atrair as companhias mais maduras, o SFM tem a credibilidade dos investidores institucionais. 

Dessa forma, suas negociações movimentam grandes volumes financeiros e, por isso, é o mercado de maior liquidez da bolsa londrina.

Alternative Investment Market (AIM)

Já o AIM (ou mercado alternativo de investimentos) representa as menores companhias e concentra a maior quantidade listada na LSE. Por isso, ele também é chamado de mercado de acesso.

Professional Securities Market (PSM)

Há também o profissional securities market (ou mercado de títulos profissionais). São as empresas que podem levantar recursos por meio de títulos de dívidas e recibos depositários (DRs). 

A diferença desse mercado é que, nele, as empresas não precisam seguir determinadas regras do mercado acionário inglês, como a apresentação de demonstrações contábeis, por exemplo. Nesse sentido, elas podem seguir as normas de seus países de origem.

Vale a pena investir na LSE?

Um dos diferenciais da bolsa britânica é a quantidade de empresas listadas de outros países. Isso faz com que o investidor tenha acesso a muitas oportunidades de diversificação. Consequentemente, a liquidez das negociações também acaba sendo maior.

 

Que outras bolsas internacionais você gostaria de conhecer? Deixe aqui os seus comentários!


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo