7 dicas para conquistar a sua independência financeira

Você certamente, em algum momento da sua vida, já sonhou com sua independência financeira.

Independência financeira pode ser interpretada de diversas formas, mas a que mais encontramos por aí, define que, independência financeira é quando você possui renda suficiente para pagar suas despesas, sem ter que trabalhar.

Imagine que maravilha!

Mas a definição desse conceito pode ir além. Alguns desejam viajar o mundo, outros desejam comprar o que quiser e, uma que eu acho que é a máxima, diz que: independência financeira é liberdade!

Mas o que eu faço para alcançá-la?”

A independência financeira, para muitos, parece um conto de fadas, mas a verdade é que ela é real, e só depende de você!

O dinheiro está muito mais relacionado com os nossos comportamentos, hábitos, do que com o valor propriamente dito.

Já vi diversas pessoas que ganhavam rios de dinheiro, mas não passavam de meros endividados, sem nenhuma conquista. Ao passo que já vi pessoas que ganhavam muito menos, mas faziam seus recursos multiplicarem.

Bom, mas vamos ao que interessa.

Aqui vão 7 dicas para que você possa alcançar sua independência financeira.

1. Conheça sua torneira de gastos

Um erro gravíssimo das pessoas é não saber para onde vai o dinheiro delas. Ter as despesas mapeadas por categorias é de suma importância para tomar decisões.

Como você quer guardar dinheiro, ou guardar mais dinheiro, se nem sabe em quê você gasta?

Hoje em dia há vários aplicativos que cumprem esse papel de ajudar as pessoas a enxergarem melhor suas finanças. Alguns deles são, por exemplo: Minhas Economias, Organizze, Guiabolso, Mobills, etc. Mas há aqueles que preferem usar a famosa e tradicional planilha.

Não existe o melhor jeito, existe o que você se identifica. O importante mesmo é exercer o papel fundamental de controlar suas finanças.

E não se esqueça de uma premissa básica: nunca gaste mais do que ganha!

2.Tenha uma reserva de emergência

Depois de ter bem mapeado sua rentabilidade e os destinos que você dá para ela, é hora de dar outro passo importante: reserva de emergência.

O nome é bastante intuitivo. Essa reserva tem de ser feita caso precise usar em alguma emergência.

Imagine, por exemplo, que você fique desempregado, ou, ainda, que fique doente. A reserva vai te ajudar nesse processo. Deu para entender o papel dela, né?!

Não existe uma regra absoluta quanto ao valor que deve ser guardado, mas é recomendável que guarde, pelo menos, seis meses de suas despesas mensais.

Mas, é claro, vamos ser sensatos, você não vai considerar os combos nas baladas de R$ 300,00, né? Hahaha

Nesse caso, é melhor investir os recursos do que guardar para atender à alguns luxos.

O que deve ser levado em conta são seus gastos essenciais, de necessidade, como energia, aluguel, internet, etc.

Para pessoas autônomas, sem uma receita fixa, é recomendável que, ao invés de seis meses, considere guardar 12 meses.

Se você quer saber mais sobre reserva de emergência e onde aplicá-la, é só clicar aqui!

3. Crie metas e objetivos

Por que você quer ser independente financeiramente? Quais metas e objetivos você pretende alcançar? Quando você quer alcançá-los?

Responder à essas perguntas é muito significativo, porque de nada adianta você investir, se não sabe onde quer chegar.

Já ouviu aquela frase “Se você não sabe para onde ir, qualquer caminho serve”?

Pois é basicamente isso!

4. Invista

Dar o passo de guardar uma parte de suas receitas já é muito significativo, mas investir em ativos que geram renda e se valorizam, é melhor ainda. Dessa forma, o seu patrimônio pode multiplicar!

Veja, quando falo investir, eu não incluo a poupança, ok?! Já foi a época em que as pessoas consideravam a caderneta de poupança como investimento. Anos atrás, ela de fato rendia boas doses de satisfação, mas hoje, enquanto escrevo esse artigo (novembro/2020), isso não é mais verdade.

O rendimento da poupança não supera nem a inflação. Ou seja, quem aplicar recursos nela, está perdendo dinheiro.

Quando eu digo perder dinheiro, não quero dizer que o saldo da sua conta vai ficar negativo. É que se formos considerar o rendimento real (quando desconta inflação), o seu dinheiro perde poder de compra.

Se quiser entender o que é inflação, temos um artigo para você. Clique aqui!

5. Seja disciplinado

Muita coisa na vida se resume à disciplina. Uma pessoa disciplinada se diferencia e se destaca, na maioria das vezes. Isso porque os nossos projetos de vida somente serão alcançados se persistirmos, formos consistentes e não desistirmos no caminho.

Não abandone suas estratégias. Trilhe o seu caminho com garra. Às vezes, você se sentirá desmotivado.

A ideia não é te desanimar, muito pelo contrário! A ideia é te alertar de que isso pode acontecer, mas lembre-se sempre dos motivos que fizeram você começar.

Acredite: a recompensa lá na frente será absurdamente maravilhosa, e você não se arrependerá de nenhum esforço tomado no presente.

6. Comece o quanto antes

Quanto antes começar a investir, melhor! Isso porque você terá mais tempo para formar o seu patrimônio e, quanto mais você deixar os juros compostos agirem, mais o seu patrimônio se multiplicará.

Aliás, você já conhece o poder dos juros compostos e a influência do tempo? Se não sabe muito a respeito, temos um artigo explicando suas maravilhas. É só clicar aqui!

7. Estude

O conhecimento pode te levar muito, mas muito longe. Conhecimento nos livra de uma série de erros, e nos aproxima de grandes sucessos.

Não invista o seu dinheiro em um lugar que não conhece só porque fulano disse que é bom. Estude sobre o ativo, o tipo de investimento, a estratégia, etc.

Hoje o acesso à informação é muito facilitado. É só digitar algumas palavras no buscador para encontrar um arsenal de conhecimento, sem contar a quantidade de cursos bastante acessíveis.

Estude, Yubber, estude!

E falando em curso, aqui no Yubb nós temos vários cursos para te ajudar na jornada. Clique aqui para acessá-los!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo