Pix saque e Pix troco: o que é e como funciona?

Desde que foi lançado, em novembro de 2020, o Pix já movimentou mais de R$ 1,6 trilhão em 2,4 bilhões de transações. É o que demonstra levantamento feito pelo Banco Central em agosto de 2021, o que comprova a boa aceitação do sistema entre os brasileiros.

A partir de 29 de novembro, os usuários do Pix terão novas funcionalidades à sua disposição: o Pix Saque e o Pix Troco, que visam facilitar ainda mais as transações financeiras no país.

Se você ainda não sabe como funcionam esses dois novos serviços, continue a leitura e descubra de que forma utilizá-los quando estiverem disponíveis em breve.

Como funcionam o Pix Saque e o Pix Troco

Caso você ainda não esteja familiarizado com o Pix, nós relembraremos rapidamente como esse sistema funciona. Acompanhe!

O Pix foi desenvolvido para ser uma alternativa de transferência de recursos aos tradicionais DOCs, TEDs e outras formas onerosas de movimentação financeira. Ao utilizar esse sistema, o usuário consegue efetivar as suas transações financeiras em tempo real, de onde ele estiver. Não importa se é feriado, fim de semana ou se o horário bancário já tiver terminado. A qualquer momento é possível utilizar o Pix para realizar uma transferência, o que, até pouco tempo, só era possível entre clientes de um mesmo banco.

É muito simples utilizar o Pix. Para isso, basta que a instituição na qual ele tem conta cadastre uma chave, que pode ser algum dado pessoal, como celular, CPF, CNPJ, entre outros.

No caso de pessoas físicas, é possível fazer o cadastramento de até cinco chaves. Já para as empresas, o limite permitido é de 20 chaves Pix. A condição é que essas chaves sejam diferentes nas instituições financeiras. Logo, se você utilizou o CNPJ de sua empresa no banco “A” para cadastrar o Pix, para uma nova chave no banco “B”, precisará escolher outro código.

Tanto o Pix Saque quanto o Pix Troco visam reduzir a necessidade de utilização dos caixas eletrônicos, o que, também, proporcionará economia de tarifas relativas a esses saques.

Pix Saque

Com o Pix Saque, os clientes de qualquer instituição que participe do Pix poderão retirar dinheiro em espécie nos estabelecimentos que aderirem ao serviço.

Na prática, ao chegar em uma loja, lotérica ou mercado, por exemplo, o cliente fará um Pix para o estabelecimento no valor que deseja sacar. Isso será realizado por meio de um QR code ou aplicativo disponibilizado pelo ponto comercial. No momento da leitura do QR code ou do aplicativo do prestador de serviço, o valor a ser sacado será transferido para o estabelecimento. Logo após,  o cliente poderá sacar o dinheiro equivalente à quantia transferida.

Pix Troco

O funcionamento do Pix Troco é praticamente idêntico ao do Pix saque. Nesse caso, a diferença é que a retirada de dinheiro estará associada a uma compra.

Por exemplo, o total de suas compras foi de R$ 200 em uma loja. Se você quiser sacar R$ 100, fará um Pix para o lojista no valor de R$ 300. Dessa forma, receberá o troco em dinheiro.

Essas transações terão custos?

O Banco Central determinou que as pessoas físicas e os Microempreendedores Individuais (MEI) poderão realizar gratuitamente até oito transações mensais. A partir da nona transação, a instituição financeira poderá cobrar uma taxa, desde que não seja superior à praticada nos caixas eletrônicos convencionais.

Quanto aos outros tipos de pessoas jurídicas, não há impedimento para que sejam tarifadas, podendo cada banco agir de acordo com critérios próprios.

É importante saber que somente os bancos poderão cobrar essa taxa. Os estabelecimentos comerciais não estão autorizados a cobrar o cliente pelo Pix Saque ou Pix Troco.

Isso porque esses estabelecimentos (também chamados de agentes de saque) receberão remuneração dos bancos por ambos os serviços. O Banco Central não estabeleceu um valor fixo para essa remuneração, que será negociada diretamente entre bancos e agentes de saque. A única determinação é que as tarifas ficarão entre R$ 0,25 e R$ 0,95 por cada transação realizada nesses estabelecimentos.

Limites do Pix Saque e Pix Troco

Em ambas as modalidades, as transações terão valores limitados a R$ 500 durante o dia e a R$ 100 das 20h até as 6h do dia seguinte. Porém, isso não é uma regra, pois cada estabelecimento poderá definir limites de saque mais baixos, de acordo com os seus interesses.

Além disso, esses serviços não precisam, necessariamente, ser oferecidos o dia todo. Ou seja, os locais poderão definir os horários de atendimento ao público mais convenientes.

Todos os estabelecimentos que já trabalham com o Pix oferecerão as novas funcionalidades?

Não necessariamente. De acordo com o Banco Central, um comércio que já trabalhe com o Pix não tem obrigação de oferecer o Pix Saque e o Pix Troco. E, caso deseje, pode disponibilizar aos clientes somente um desses serviços.

Porém, no momento em que adota um ou ambos os serviços, o estabelecimento tem o dever de oferecê-los a todos os clientes que têm conta em um banco participante do sistema Pix.

O que os estabelecimentos precisam fazer para oferecer esses serviços?

A adesão ao Pix Saque e Pix Troco é bastante simples. Para oferecer esses serviços, o estabelecimento deverá procurar o seu banco e pedir que eles sejam disponibilizados. Caso o comércio já tenha o sistema Pix, é só fazer um ajuste no contrato para que as novas funcionalidades possam entrar em operação.

Vantagens do Pix Saque e Pix Troco

Para as pessoas físicas, as novas funcionalidades proporcionarão mais facilidade nos saques, ao mesmo tempo que evitam gastos com tarifas nos caixas eletrônicos.

Para as empresas, trata-se de mais uma fonte de receita, pois elas serão remuneradas pelos bancos por cada transação que os clientes efetuarem. Além disso, a possibilidade de saque nos estabelecimentos poderá aumentar a circulação de pessoas, o que sempre é bom para a visibilidade do negócio.

Se você ficou com alguma dúvida, mande seus comentários que responderemos em breve!


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo