O que é yield farming nas finanças descentralizadas?

No sistema DeFi (finanças descentralizadas) o yield farming se tornou bastante popular por trazer altos rendimentos aos seus participantes.

Aqui no Yubb, já falamos a respeito do DeFi. Trata-se de aplicações com foco em serviços tradicionalmente oferecidos por instituições financeiras. No entanto, nas finanças descentralizadas, esses serviços utilizam os contratos inteligentes.

Clique aqui, e saiba mais sobre DeFi:DeFi: saiba como funcionam as finanças descentralizadas - Artigos - Yubb

Nas redes DeFi, o yield farming viabilizou novas formas de negociação e novas maneiras de se obter rendimentos com criptoativos. A seguir, entenda o que é e como funciona essa estratégia.

O que é yield farming?

Traduzida literalmente, a expressão significa algo como “produção agrícola”. No entanto, quando falamos em criptoativos e finanças descentralizadas, o sentido de yield farming tem a ver com “cultivo de rendimentos”, ou “mineração de liquidez”.

Em outras palavras, trata-se de uma forma de utilizar os criptoativos para ganhar mais criptoativos, ou seja, para gerar renda passiva. Com essa estratégia, quem tem criptomoedas pode emprestá-las a outros usuários e, em troca, receber remuneração também em criptomoedas.

Os usuários que utilizam o yield farming são também chamados de provedores de liquidez. Isso porque, na prática, eles depositam e bloqueiam um criptoativo em alguma blockchain e recebem recompensas por isso. Essas recompensas incentivam os detentores das criptos a deixarem os ativos bloqueados. É dessa forma que esses usuários geram liquidez para o sistema, ao fazerem com que as criptomoedas bloqueadas para utilização própria circulem na rede.

Como funciona a estratégia

Como vimos, o objetivo do yield farming é proporcionar liquidez à rede de criptoativos. Portanto, para parcicipar desse sistema, o investidor precisa primeiro escolher o pool de liquidez do qual deseja participar.

Por sua vez, o pool de liquidez é basicamente um contrato inteligente que contém o depósito dos criptoativos. Esses contratos inteligentes têm a função de travar os tokens depositados pelos usuários, em troca das recompensas.

Esse pool de liquidez abastecerá o mercado de criptoativos, no qual os usuários poderão negociar ou emprestar os seus tokens entre si. Essas transações geram taxas, que são pagas aos provedores de liquidez de acordo com a sua participação nos depósitos.

As recompensas aos provedores de liquidez podem ser pagas mediante taxas geradas na própria plataforma DeFi subjacente, assim como também podem vir da distribuição de um outro token. A remuneração que o usuário terá vai depender do valor investido e, também, das regras do protocolo do pool que ele escolher para depositar os tokens. Basicamente, o retorno dependerá na liquidez que cada um está fornecendo ao pool.

Esse é o funcionamento básico do yield farming. Existem variações e formas mais sofisticadas e complexas de utilizar a estratégia, como o “yield hacking”. Nessa prática, os usuários recebem os rendimentos de determinada plataforma, compram mais tokens e os depositam em outra plataforma. Isso também pode aumentar os lucros da estratégia.

Valor Total Bloqueado (TVL)

Um dos termos importantes associados ao yield farming é o TVL, ou valor total bloqueado. Trata-se da quantidade de tokens que estão bloqueados em empréstimos DeFi na plataforma por meio de contratos inteligentes.

Esse número é um indicativo eficiente para avaliar a saúde geral do yield farming no DeFi e comparar diferentes plataformas. De forma geral, quanto mais alto for o TVL, melhor é a liquidez da plataforma. 

Cálculo do retorno no yield farming

De forma geral, as recompensas na estratégia são calculadas anualmente. Nesse sentido, algumas das métricas mais utilizadas são a Taxa de Porcentagem Anual (APR) e o Rendimento Percentual Anual (APY).

No caso do APR, o investidor não se beneficia do efeito dos juros compostos, somente no APY.

Para relembrar: juros compostos significa juros sobre juros. É muito importante entender esse conceito, não só no universo dos criptoativos, mas também em todos os outros investimentos.

É importante saber que essas métricas fornecem apenas estimativas sobre os rendimentos. Isso porque o yield farming é um mercado bastante veloz e altamente competitivo e, por isso, as recompensas podem oscilar de forma rápida e com grande amplitude.

Na prática, observa-se que, quando uma estratégia de yield farming tem sucesso por algum tempo, isso acaba atraindo muitos usuários (ou farmers), que tentam aproveitar os ganhos do mercado aquecido. No entanto, com muitos participantes, os rendimentos tendem a apresentar quedas.

Riscos da estratégia

O yield farming é bastante complexo, recomendado para usuários experientes e com conhecimento avançado sobre o tema. Além disso, a estratégia é mais rentável para quem já possui quantias maiores para investir.

Entre os principais riscos da estratégia, naturalmente estão os contratos inteligentes. Isso porque muitos dos protocolos DeFi que existem no mercado foram criados por equipes pequenas, com orçamentos mais limitados do que o de grandes plataformas. Nessas situações, as chances de problemas sistêmicos acabam sendo bem maiores, o que compromete a segurança e o funcionamento do sistema.

Outro risco do yield farming está justamente na estrutura do DeFi. todo o ecossistema das finanças descentralizadas depende muito de cada um de seus blocos de base. Portanto, se um deles não funcionar como deveria, isso pode comprometer o ecossistema como um todo. Ou seja, não basta somente o protocolo de seu pool ser confiável. É preciso que todos os outros dos quais ele depende também o sejam.

Sabemos que o tema é complexo e, por isso, não o esgotaremos em um único conteúdo. Nosso objetivo foi mostrar o conceito de yield farming, e a sua importância para o mercado DeFi.

Comente abaixo se você tem dúvidas, ou se gostaria de saber mais a respeito. E, se ainda não conhece, clique aqui e dê uma olhada na nossa seção especial de criptoativos!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo