CMN (Conselho Monetário Nacional): o que é e qual sua importância?

Se você se interessa por investimentos, e está a par dos importantes conceitos que os cercam, com certeza você já se deparou com a sigla CMN. 

Esse artigo é para você que está no mundo dos investimentos ou que acabou de entrar. Quer entender o que essas letras significam, e qual a sua importância? Acompanha o artigo que preparamos para você!

Neste artigo você verá:

  • CMN - Conselho Monetário Nacional;
  • Composição do CMN;
  • Hierarquia do Sistema Financeiro Nacional;
  • Como funciona o CMN;
  • Políticas adotadas pelo CMN.

O que é CMN - Conselho Monetário Nacional?

O Conselho Monetário Nacional é o órgão mais importante para o funcionamento do sistema financeiro, o qual influencia diretamente no nosso dia a dia. Tem a responsabilidade de formular a política da moeda e do crédito no país, a fim de garantir a estabilidade, o desenvolvimento econômico e social.

O CMN tem como função principal ditar as regras gerais para o funcionamento de todo o mercado financeiro.

Composição do CMN

Até pouco tempo atrás, o Conselho era formado por três membros: o Ministro da Fazenda, o Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão e o Presidente do Banco Central do país. 

Contudo, com a junção do Ministério da Fazenda com o Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão (com a criação do Ministério da Economia), a composição do Conselho se limitou em: Ministro da Economia, Secretário Especial da Fazenda e Presidente do Banco Central.

Essa mudança resultou em um peso maior nas decisões pelo Ministério da Economia, contando com dois votos entre os três conselhos. 

Hierarquia do Sistema Financeiro Nacional (SFN) 

O Conselho Monetário Nacional está no topo do Sistema Financeiro Nacional (SFN), tendo, dessa forma, poder sobre todas as demais instituições. A seguir: classificação e relação hierárquica do SFN (Sistema Financeiro Nacional):

Considerando a categoria de Moeda, crédito, capitais e câmbio, o CMN assume o título de órgão normativo, ou seja, aquele que dita as normas.

Seguindo a hierarquia, temos os supervisores, os quais são: BCB (Banco Central do Brasil) e CVM (Comissão de Valores Mobiliários)

E por fim, temos os Operadores, sendo-os: Bancos e caixas econômicas, Administradoras de consórcios, Bolsa de valores, Cooperativas de Crédito, Corretoras e distribuidoras, Bolsa de mercadorias e futuros, Instituições de pagamento e demais instituições bancárias.

Como funciona o CMN

Como dito anteriormente, esse é o órgão normativo do Sistema Financeiro Nacional, tendo suas atribuições sempre relacionadas à formulação de políticas monetárias e de crédito, e estando hierarquicamente no topo, ele cria e regulamenta as principais diretrizes de funcionamento - todas as instituições são subordinadas a ele e devem seguir suas regras. 

Uma vez por mês, os integrantes do CMN se reúnem a fim de estabelecer a discussão de temas relevantes para definir suas estratégias, salvo em casos especiais, onde essas reuniões podem acontecer com maior frequência. Os principais atributos dessa instituição são:

  • Zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras;
  • Propiciar o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros;
  • Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras;
  • Adequar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia;
  • Regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos;
  • Coordenar as políticas monetárias, creditícias orçamentárias e da dívida pública interna e externa.

Políticas adotadas pelo CMN

É importante que o investidor saiba analisar essas políticas, para que consiga projetar cenários econômicos de forma realista. Há duas principais políticas, sendo elas:

Política expansionista

Essa modalidade utilizada tem intuito de estimular a economia de um país, o CMN adota medidas para incentivar a produção e o consumo, acelerando o mercado econômico, decidindo questões como inflação e a circulação de dinheiro.

Medidas utilizadas: redução da taxa de juros, redução do recolhimento compulsório e aumento da taxa de redesconto.

Política contracionista 

Em oposição à política expansionista, a contracionista busca reduzir o consumo, a fim de controlar a inflação, resultando em um aumento temporário do desemprego e redução do PIB.

Medidas tomadas para esse tipo de política: redução dos gastos públicos, aumento do depósito compulsório, redução da taxa de redesconto e elevação da taxa Selic.

Entender sobre o CMN, como já vimos até aqui, é de total importância, pois ele é nada menos que o órgão mais importante da SNF, e está relacionado com assuntos que permeiam a vida do investidor. 

Possuir também uma percepção de qual política o mesmo adotará em determinado momento é de total importância para tomar decisões de sucesso nos investimentos. 

E já fazendo um gancho ao assunto, nós temos um artigo que pode te interessar: O que é Política Monetária?

Atente-se a esse órgão importantíssimo, Yubber!

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo