S&P 500: tudo sobre esse índice americano

S&P 500 é um índice que surgiu em 4 de março de 1957, criado Standard & Poor’s, que representa as 500 maiores ações em valor dos Estados Unidos, representando 80% de todo o mercado de capitalização. É usado como um termômetro da economia americana.

O S&P utiliza um método de avaliação das empresas com base no valor de mercado, permitindo que as maiores companhias tenham muito mais participação e influência no andamento do índice.

Para que fique mais claro, o valor de mercado é calculado multiplicando o preço de um ação pela quantidade de ações desta mesma empresa que estão em circulação.

Por exemplo, se uma ação da Ambev custa R$ 13,50 e existem, aproximadamente, 16 bilhões de papéis em circulação, então ela tem um valor de mercado estimado algo em torno de R$ 212 bilhões.

Portanto, quando uma das maiores empresas do índice, em valor de mercado, tem uma grande oscilação de preços, o índice vai sofrer uma forte influência, tendendo a acompanhar a flutuação da empresa.

É o caso da Vale no Ibovespa, que possui uma participação de 10%, sendo que a B3 tem mais de 300 empresas listadas.

Requisitos para fazer parte do S&P 500

O índice é reequilibrado trimestralmente, através de um comitê que seleciona as empresas pelo seu tamanho, liquidez e setor de atuação, seguindo os requisitos:

  • Tem que possuir atuação nos Estados Unidos, com pelo menos 50% de seus ativos fixos e receitas ligadas ao território americano;
  • Ter um valor de mercado de no mínimo 6,1 bilhões de dólares;
  • Ter pelo menos 50% de ações abertas ao público;
  • Preço mínimo por ação de 1 dólar;
  • As empresas têm que estar listadas na bolsa de Nova York, NASDAQ, Investors Exchange ou BATS (não precisa estar listadas em todas, basta estar em alguma dessas);
  • Precisa ter em seu histórico, no mínimo um período de 4 trimestres seguidos de resultados lucrativos.

Para se ter uma noção do que o S&P 500 representa, aqui vão alguns exemplos das empresas listadas no índice:

  • Microsoft 
  • Amazon.com 
  • Apple 
  • Alphabet 
  • Berkshire Hathaway 
  • Facebook 
  • Visa 
  • Johnson & Johnson
  • JPMorgan 
  • Walmart 
  • Mastercard 
  • The Walt Disney 
  • AT&T 

Por que alguns investidores preferem o S&P 500 do que outros índices americanos?

Um número de investidores relevantes tem uma certa preferência ao S&P 500 na hora de realizar análises, investir e tirar conclusões sobre o mercado do que a própria NASDAQ e do que o Índice Industrial Dow Jones.

Isso acontece devido ao fato de considerarem que o Standard & Poor’s lista as empresas com muito mais profundidade e exatidão, uma vez que julgam ser uma filtragem de companhias bem mais efetiva. Por levar em conta fatores como valor de mercado, volume de negociação, setor de atuação e limitar a um número de 500 empresas listadas.

Fato é que por ter requisitos mais “firmes”, empresas pequenas e até médias acabam ficando de fora da listagem. Por isso, é um índice considerado como termômetro da economia americana, demonstrando como anda as maiores empresas dos EUA e do mundo, acompanhando a política e o mercado mais importante do planeta, influenciando os investimentos de toda população mundial, seja de uma maneira sutil ou certas vezes mais pesadas.

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo