O que são criptomoedas?

Você já deve ter ouvido falar em bitcoin, correto? Bitcoin é um exemplo clássico de criptomoeda. De fato, o bitcoin tem se valorizado muito, e certamente você encontrará notícias bastante positivas e otimistas por aí. Mas você sabia que existem muitas outras opções? Você consegue, hoje, encontrar uma variedade enorme de moedas digitais.

Neste artigo você verá:

  • O que são criptomoedas?
  • História da criptomoeda
  • Diferenças entre criptomoedas e moedas tradicionais
  • Aplicações das criptomoedas e suas usabilidades
  • Riscos e ameaças

As criptomoedas são moedas digitais e, além de serem moedas de troca e um meio para realizarem pagamentos, são carregadas de tecnologia, onde todas as movimentações são criptografadas e interligadas em nós na rede blockchain, que faz todos os registros em blocos.

Origem das criptomoedas

A humanidade sempre presenciou grandes revoluções ou disrupções. A tecnologia tem se mostrado cada vez mais forte e presente em nossas vidas, e ela vem evoluindo de forma exponencial. As criptomoedas são consideradas uma dessas grandes transformações históricas e vêm tomando mercado ao longo do tempo.

Talvez você já tenha ouvido, ou talvez ainda ouça, que o Bitcoin foi a primeira moeda digital da história. Entretanto, nas décadas de 1980 e 1990, houveram várias tentativas de inventar um dinheiro digital, como por exemplo: Beenz, Flooz, Digi-cash, entre outras.

Todas essas moedas trouxeram alguma inovação, ou pelo menos tentaram. Acontece que por uma série de motivos, como por exemplo, falta de entendimento entre os fundadores, falhas técnicas, a moeda não ter ganhado o mercado, etc, elas desapareceram.

Mas temos um exemplo claro de sucesso, que é o Bitcoin. Em 2008, uma pessoa chamada Satoshi Nakamoto lançou um paper enviado em um grupo de discussão de criptografia e, em 2009, a rede de Bitcoin começou a funcionar. Bom, ela se disseminou, está ganhando cada vez mais mercado e já passou por valorizações absurdas.

E quais são as diferenças entre criptomoedas e moedas tradicionais?

As criptomoedas têm algumas propriedades que as diferenciam de uma moeda tradicional fiduciária:

  • O armazenamento é feito em digital wallets (carteira digital), e não em bancos;
  • O controle por uma entidade central (governo, banco central, etc) é anulado, ou seja, elas não são controladas por essas entidades;
  • Ela é controlada tão somente pelo proprietário da moeda;
  • As confirmações das transações são feitas por uma grande quantidade de nós de rede;
  • As transações são feitas no modo peer-to-peer (ponta a ponta), sem a necessidade de um intermediário (corretora, banco, etc).

Onde usar criptomoedas?

Elas vêm ganhando muito espaço, e já foi identificada uma série de possibilidades, como por exemplo:

  • Compras online;
  • ATMs que permitem o saque de moedas locais;
  • Compra de cotas de fundos de investimentos de criptomoedas;
  • Pagamentos em uma variedade enorme de estabelecimentos comerciais;
  • Aquisição de ativos com alto valor;
  • Cartão de débito, pré-pago, com saldo em bitcoin.

Risco das criptomoedas

Não há nenhum investimento que não tenha algum risco, mesmo que seja mínimo!

Sim, as criptomedas, por mais revolucionárias que são ou, ainda, por mais que elas sejam vistas de forma bastante otimista por algumas pessoas, elas carregam sua parcela devida de risco e ameaça.

Podemos citar alguns, como:

  • Restrição de vários países;
  • Falhas técnicas;
  • Hackers;
  • Transferências incorretas (lembre-se, é uma plataforma descentralizada, sem nenhum intermediador);
  • Usos ilegais;
  • Perda de private keys;
  • Elas serem substituídas por alguma outra inovação disruptiva.

É claro que, diante de um ecossistema tão grande como o das criptomoedas, nem todos os investidores, analistas, etc, são otimistas. Existem os céticos, sim, inclusive com várias críticas e descrenças, mas até o momento, as criptomoedas, principalmente o bitcoin, têm se mostrado revolucionário e positivo.

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo