O que é e como funciona o NYMEX (New York Mercantile Exchange)?

Commodities são bastante negociadas no mercado futuro, e o NYMEX (New York Mercantile Exchange) é um dos maiores mercados para tal.

Talvez esse seja um assunto novo para você, afinal, ele não é recorrente no mercado, apesar de ter seu grau considerável de importância, e você vai entender o porquê nesse artigo, então, fique com a gente, Yubber!

O que é o NYMEX (New York Mercantile Exchange)?

NYMEX é, nada mais nada menos que o maior mercado físico de negociações de contratos futuros de commodities.

O NYMEX tem sua localização em Manhattan, apesar de ter escritórios adicionais nos Estados Unidos, como Boston, Washington, Atlanta e San Francisco, e em outras localidades, sendo Dubai, Londres e Tóquio.

Você deve estar achando a informação curiosa, afinal, com todo o nosso avanço tecnológico, os mercados físicos de commodities praticamente desapareceram. O fato é: os Estados Unidos ainda mantêm mercados como o NYMEX.

Existe um grupo chamado CME Group (Chicago Mercantile Exchange Group), no qual o NYMEX faz parte. Quando falamos do CME, nos referimos ao principal mercado de derivativos e, além do NYMEX, ele detém o CME (Chicago Mercantile Exchange), CBOT (Chicago Board of Tarde) e COMEX.

Qual a importância do NYMEX (New York Mercantile Exchange)?

O NYMEX tem grande influência no mercado global de commodities, portanto, as negociações em vários cantos do mundo acabam por seguir os preços praticados nele.

O propósito do NYMEX é oferecer muitas alternativas para negociações de contrato futuro, visto que é considerado um instrumento de muita importância para conter riscos e oscilações nas negociações de commodities.

Uma outra coisa a se pontuar é que o NYMEX é regulado pela CFTC – Commodity Future Trading Commission, que nada mais é que uma agência independente do governo, que busca competitividade e eficiência entre os mercados de contratos futuros.

Logo, isso gera mais segurança e proteção dos investidores, evitando possíveis práticas fraudulentas ou até mesmo abusivas.

Breve história do NYMES

Em 1872, surge a primeira versão do NYMEX. Um grupo de comerciantes do ramo de laticínios fundou o The Butter and Cheese Exchange, situado em Nova Iorque, e tinha como objetivo organizar e padronizar as negociações de seus produtos.

Um tempo depois, após os ovos entrarem para a lista, o nome mudou para The Butter, Cheese, and Egg Exchange.

Em 1882, frutas secas começaram a ser negociadas, além de produtos enlatados e galinhas, e foi quando, então, o nome NYMEX foi adotado.

Já no ano de 1994, NYMEX e o Future Comex passaram por um processo de fusão, criando, então, o maior mercado físico de commodities da época.

Em 2008, com a crise financeira que refletiu todo o mundo, o órgão não conseguiu sobreviver e, com isso, o CME Group adquiriu tanto o NYMEX quanto o Comex.

Após essa aquisição, muitos outros ativos foram acrescentados, sendo eles ligados a contratos de metais, energia e agricultura.

Curiosidade

Você sabia que, em uma determinada época, as plantações de batata foram os principais itens negociados no NYMEX? Mas, acontece que, nos anos 70, havia um magnata da batata chamado J. R. Simplot que começou a operar vendido em um grande volume.

E o que aconteceu? Um número considerável de contratos futuros de compra de batata não foram cumpridos na data de expiração, o que significa dizer, portanto, que não houve entrega. Logo, para evitar prejuízos, o CFTC, que tinha sido criado recentemente, interviu.

O NYMEX, por conta do acontecido, acabou sofrendo sanções. Uma delas foi o impedimento de sediar negociações de contratos futuros de batatas, além de não poder entrar em áreas novas. Tudo isso trouxe uma imagem muito negativa para o NYMEX, fazendo com que ela fosse bastante prejudicada.

E aí, Yubber, você gostou do artigo?


Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo