5 dicas de segurança para investir

Talvez você tenha algumas inseguranças que, por consequência, acabam reprimindo o seu desejo de investir. É comum ouvir de várias pessoas, por exemplo, que investir é muito arriscado, que elas têm medo de perder dinheiro, etc.

O fato é que, esses medos podem estar te privando de aplicar os seus recursos em melhores modalidades de investimento, podendo trazer melhores rentabilidades. Ainda é gigantesco o número de pessoas que têm dinheiro em poupança.

É claro que, na hora de investir, é importante que se tenha alguns cuidados, mas ter cuidado é diferente de sentir medo. O cuidado é preventivo, e ele vai te ajudar a investir melhor e mais consciente. O medo, por sua vez, te paralisa.

Nós, aqui do Yubb, vamos te apresentar algumas dicas que podem te ajudar na hora de investir.

1. Conheça seu perfil 

É muito importante que, antes de tomar a iniciativa de investir, você conheça o seu perfil de investidor. E por que isso é importante? Porque se você não tem apetite para risco, por exemplo, não adianta ir para o mercado de ações, pois não saberá lidar com as oscilações constantes de mercado. Agora, se você tem apetite para riscos, não faz muito sentido buscar por investimentos de renda fixa.

O mercado classifica os perfis de investidor em três categorias:

Conservador

É aquela pessoa que não tem muito apetite para riscos. Geralmente prefere segurança a uma maior rentabilidade. Se destaca também por preferirem investimentos que tenham liquidez, ou seja, que os recursos sejam passíveis de resgate de forma bastante rápida.

Por esses motivos, é comum que os investidores dessa classe optem por investir no mercado de renda fixa, pois a segurança é alta. É sem risco? Não! Mas é bastante seguro, pois a maioria dos investimentos se enquadram na garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), caso haja falência da empresa. Reparem que eu disse a maioria, e não todos, ok?

Os investimentos que o FGC cobre, caso não haja o cumprimento das obrigações por parte da empresa, são: CDB, LCI, LCA e Caderneta de Poupança.

Os títulos públicos federais, que são títulos que financiam o governo, apresentam garantia do Tesouro Nacional. Esse investimento é considerado o mais seguro de todos em renda fixa.

Já as debêntures apresentam quatro tipos de garantias diferentes, mas não significa que o título oferece quatro garantias de uma vez a você. Significa que, dessas quatro, uma delas será acordada com o investidor. 

Moderado

É aquele investidor que fica entre o conservador e agressivo (ou arrojado, como alguns preferem). Ele vai buscar por investimentos com maior rentabilidade, mas sem exagero. Portanto, as escolhas serão baseadas em investimentos de renda fixa e variável, sempre buscando equilíbrio.

Agressivo (ou arrojado)

O investidor agressivo opta por correr maiores riscos em troca de rentabilidade. Ele entende que alta rentabilidade tem relação direta com o fator risco.

Esse perfil costuma ir para a renda variável. Alguns investimentos que podemos citar, são: Ações, FIIs, ETFs, Opções, etc.

2. Monte sua reserva de emergência

Como o próprio nome sugere, esse recurso é reservado para possíveis emergências. Infelizmente, há muitas pessoas que não destinam uma parte do dinheiro para isso e, no final das contas, acabam tendo que resgatar seus investimentos, muitas vezes, inclusive, executando prejuízos.

A reserva de emergência tem como objetivo fazer frente a necessidades não previstas, o que a torna crucial.

Para construí-la, não existe uma regra absoluta, mas é aconselhável que você guarde 6x os seus gastos mensais, ou seja, se seus gastos mais importantes resultam em R$ 1.500,00, faça 6x R$ 1.500,00 = R$ 9.000,00.

Não precisa ser o valor de gastos cheio, mas não deixe de considerar os que são realmente importantes, como por exemplo: aluguel, energia, financiamento, saúde, transporte, etc.

Para guardar essa reserva, escolha algo com alta liquidez e segurança, SEMPRE! Tenha em mente que reserva de emergência não se busca rentabilidade, mas sim SEGURANÇA! Você deve ter esse dinheiro disponibilizado a você de forma rápida.

Algumas aplicações interessantes e famosas para esse fim, são: Tesouro Selic e CDB com liquidez diária.

Há uma discussão no mercado sobre deixar a reserva de emergência na poupança ou não. EU sou do time que apoio considerá-la como uma terceira opção das que citei acima. Como eu disse, o intuito não é buscar rentabilidade, mas sim, segurança.

3. Conheça o produto

Não escolha um produto sem aplicar nenhum critério. Leve em consideração que você estará alocando o seu rico dinheirinho lá. Na internet você encontra uma série de materiais disponíveis que podem te ajudar e, melhor ainda, gratuitos. Mas, é claro, busque por fontes confiáveis. Aqui no Yubb, por exemplo, cumprimos com os dois requisitos: informação gratuita e de qualidade :)

Sendo assim, antes de aplicar em um determinado investimento, busque por informações que podem te oferecer bagagem para tomar suas decisões.

4. Diversifique

Já ouviu a frase “não coloque todos os ovos na mesma cesta”? Ela faz todo o sentido no mundo dos investimentos. A diversificação das aplicações mitiga os riscos.

Portanto, quando for aplicar, procure não concentrar demais seus recursos em um investimento só. Isso pode te livrar de algumas dores de cabeça. Digo isso porque, se por algum motivo, algum dos investimentos do seu portfólio não estiver indo muito bem, os outros vão trazer equilíbrio.

5. Busque por conhecimento, sempre!

Eu sempre bato nessa tecla. O conhecimento, na minha opinião, é o melhor instrumento que podemos ter na vida. Não deixe de buscar, não deixe de aprender, pois seu crescimento intelectual será um guia para a sua prosperidade. Pesquise, leia, veja, ouça, encontre a melhor metodologia de aprendizado para você.

Talvez você esteja pensando que esse tópico número 5 é a mesma coisa que o tópico número 3, mas eles se divergem e eu vou explicar onde.

No tópico 3, eu disse: conheça o produto. Já no tópico 5, a mensagem que eu quero passar, é: saia da superfície! Não se limite a conhecer somente os produtos.

O mercado financeiro tem uma abrangência gigantesca e aborda uma gama enorme de assuntos, portanto não se trata somente de produtos, mas também de economia, de história (sim, porque a história é referência para que entendamos melhor o nosso presente, e tomemos melhores decisões), de política, de contabilidade, etc.

Então é isso! Eu espero que essas dicas te ofereçam maior segurança na hora de investir o seu dinheiro.

Lembre-se: o cuidado é preventivo, já o medo, paralisa.

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo