Como abrir conta em uma corretora americana?

Seja para rentabilizar o patrimônio ou, simplesmente, para protegê-lo das turbulências nacionais, abrir uma conta no exterior é algo que passa pela cabeça de muitos investidores. Afinal, com o dinheiro lá fora é possível comprar diretamente ações de empresas estrangeiras. Além disso, o investidor passa a não sentir tanto no bolso o sobe e desce do dólar.

Mas como abrir conta em uma corretora americana? Veja algumas dicas básicas que preparamos para que você possa fazer isso com segurança.

Tipos de corretoras

Antes de mais nada, é importante saber que existem dois tipos de corretoras nos EUA:

Corretoras diretas

Essas corretoras lidam diretamente com os seus clientes. Ou seja, elas registram e transmitem as ordens de negociação sem o auxílio de intermediários.

Corretoras intermediárias

Nesse caso, elas intermediam as transações entre os clientes e uma corretora ainda maior.

E qual delas é melhor para quem mora no Brasil?

A melhor opção é uma corretora direta. Com elas, a abertura de conta é mais simples, e os investimentos acontecem de forma mais rápida e segura.

Agora, vejamos o passo a passo para abrir a conta lá fora:

1. Verificar a legalidade da corretora

Para isso, deve-se consultar se ela está registrada na FINRA (Financial Industry Regulatory Authority). Essa é a principal forma de consultar a regularidade das corretoras americanas.

Também pode-se consultar a SEC (Securities and Exchange Comission), que é a CVM norte-americana.

2. Ver se a corretora permite que não-residentes tenham conta

Nem todas as corretoras aceitam contas de estrangeiros que moram fora dos EUA. Nesse site há uma relação de instituições que aceitam contas de não-residentes.

3. Analisar os custos

Assim como no Brasil, cada corretora americana possui as suas próprias taxas e custos de operação. Nesse sentido, é importante saber qual a taxa de corretagem, se há cobrança de manutenção ou inatividade da conta, taxas de transferências, entre outras.

Para não comprometer o resultado dos investimentos, é fundamental avaliar os custos cobrados pela corretora. Porém, é importante também analisar os serviços que cada uma oferece, para poder escolher a melhor relação custo/benefício.

4. Abrir a conta diretamente no site

Agora que você já concluiu os 3 primeiros passos, é hora de escolher a corretora. Então, é só entrar no site da instituição e preencher os seus dados pessoais. Isso normalmente é bem simples nas corretoras americanas.

5. Enviar os documentos escaneados para a corretora

Depois de iniciar o processo de abertura, você terá que enviar seus documentos pessoais para verificação. Os mais comuns são os seguintes:

- comprovante de residência;

- declaração do Imposto de Renda;

- cópia do passaporte;

- formulário W-8BEN preenchido. Esse formulário atesta que você não mora nos EUA, mas é um investidor no país.

Após a checagem dos documentos, a corretora enviará o número da conta e a senha para você começar a operar.

6. Transferência do dinheiro para o exterior

Por fim, já está tudo pronto para você transferir os seus recursos e começar a investir lá fora. Mas antes, verifique como funcionam os serviços de câmbio no seu banco. Algumas instituições são mais automatizadas, outras ainda exigem a entrega física de contratos assinados.

Além disso, haverá custos de câmbio, como taxas de remessa, por exemplo. Nesse sentido, peça orientação ao seu gerente ou aos especialistas de câmbio de sua instituição.

Viu como não é tão complicado abrir uma conta lá fora?

Você também pode gostar desses artigos

library_booksTodos os artigosVoltar para o topo